MENU
reabastecimentoo

18 de janeiro de 2016 - 13:52F1

Sem reabastecimento, por favor

SÃO PAULO | O copo sempre vai estar meio cheio — ou meio vazio.

As corridas hoje são previsíveis, larga-se sabendo do que vai acontecer, quem vai chegar à frente, etc. Mas qual é a causa real disso?

Vai ser discutida nesta semana a volta do reabastecimento em 2017 — de novo. Essa proposta já havia caído, mas agora resgataram, uma vez que parece que os outros planos também não devem avançar muito.

Por que reabastecer? Bem, as estratégias serão diferentes e isso vai dar mais imprevisibilidade às corridas.

Certo. E se nos lembrarmos da principal queixa que era feita na época do reabastecimento? As ultrapassagens aconteciam nos boxes e não na pista.

Se hoje se queixam que é difícil compreender as estratégias de pneus, imagine só fazer cálculos de quanto combustível foi colocado no tanque para saber em qual volta os pilotos vão parar novamente — ou se não vão parar.

A fase do reabastecimento também teve as temporadas com pior média de ultrapassagens por corrida na história da F1. Em 1993, a média por corrida com pista seca foi de 26 manobras por prova. Em 1994, quando o reabastecimento foi introduzido, já caiu para 18 — esta foi a maior média até 2009, o último ano. O ponto baixo foi 2005, o ano em que as trocas de pneus foram proibidas, caindo para 9,89 ultrapassagens/GP.

De 2009 para 2010, a média subiu de 10,4 para 21,33. O recorde histórico veio com a chegada da Pirelli em 2011, 60,63. Em 2015, a média foi de 30. Logo, não é preciso ir à década passada para encontrar uma solução — é preciso, sim, encontrar o que deu errado de 2011 para cá.

Para mim, está claro que aquela fórmula vista em 2012 e no primeiro semestre de 2013 gerava a tal imprevisibilidade nas corridas. Qual foi o ano em que tivemos sete vencedores nas sete primeiras corridas mesmo? Mas a Pirelli, corretamente, não pretende voltar a adotar tal fórmula se não puder testar adequadamente.

Repito: o reabastecimento só tende a aumentar a monotonia das corridas. O problema está em outro lugar.

2 comentários

  1. Thiago Beserra Alves disse:

    Mas porque na Fórmula Indy acontecem tantas ultrapassagens ao contrário da Fórmula 1 ? Acredito que a falta de reabastecimento seja uma das respostas da atual desigualdade no quesito emoção entre a categoria Americana e a atual F1

    • A dinâmica das corridas na Indy é completamente diferente, e tem um outro fator que contribui para o reabastecimento ser interessante lá: tem bandeira amarela o tempo todo. Na F1, pensam sete vezes antes de colocar o safety-car.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>